banner farmacia  preço baixo
condaron

Famílias do Rio voltam a cozinhar no fogão a lenha devido à crise

Muitas famílias do Rio de Janeiro têm sofrido com a crise financeira provocada pela pandemia da Covid-19. Diante da nova realidade, o RJ2 desta segunda-feira (12) mostrou famílias que tiveram que voltar a usar a lenha na hora de cozinhar.

Com três filhos e desempregada, Marcelle Cristina Lopes vive atualmente com cerca de R$ 300 por mês. Segundo ela, o dinheiro não dá pra quase nada.

“É muito difícil. Às vezes é criança chorando, querendo as coisas e não ter é difícil. A minha pequenininha pede, você fala que não, e a criança não entende. Eu fiquei três meses sem gás. Quando acaba, a gente procura fazer na lenha. Pega tijolo, madeira e faz um improvisado na lenha. Mas, quando tá chovendo, complica”, disse Marcelle.

A reportagem mostrou ainda famílias com pouca renda estão passando por dificuldades para comprar o básico. Nas favelas e regiões mais pobres do Rio, muita gente está vivendo em situação de extrema precariedade.

Para o casal Genilson Pereira e Maria Cristina de Azevedo, a rotina de cozinhar a lenha já dura 15 dias.

“Há duas semanas eu construí [o fogão a lenha]. Acabou o gás e não tinha como comprar porque o gás estava muito caro. Improvisamos esse fogão de lenha na chuva, mas improvisamos ele”, contou Maria Cristina.

O marido, que trabalha como auxiliar de serviços gerais, disse que a alimentação da família também mudou.

“A gente compra pé de galinha, a gente compra ovo e pescoço, que é mais barato. Então, essas coisas assim que são mais baratas. Mais em conta no mercado”, disse Genilson.

Fugindo da fome

O venezuelano Javier está no Brasil há três anos. Ele fugiu do seu país para tentar se livrar da fome, mas a realidade não mudou em sua nova casa.

“Todo dia não (dá pra comer). Às vezes, tem pessoas que dão ajuda e às vezes, não”, contou Javier.

“Eu trabalhava em casa de família. Cada dia eu fazia faxina numa casa. Aí começou essa doença e não posso mais”, contou Rosangela.

Ela disse ainda que não recebeu nenhum auxílio do governo durante a pandemia.

“Vivo de uma ajuda de um, de outro. (O auxílio) ajudaria comprar remédio, pagar luz, água que não to pagando. Ajudaria muito”, completou.

Fonte: G1

Comentarios